Bolsonaro não vê fato grave e PSL diz que ministro do Turismo só cai “com batom na cueca”

Pau que bate em Chico não bate em Francisco no governo Bolsonaro.

No que depender dos aliados do Marcelo Álvaro Antônio no Congresso, o ministro do Turismo só deixa o governo quando – e se – aparecer o famoso “batom na cueca”.

A avaliação de alguns parlamentares da bancada de Minas, reduto eleitoral de Álvaro Antônio, é de que o caso dos laranjas do PSL seria “café pequeno” para justificar uma exoneração.

“Por que só agora esse pessoal resolveu denunciar o que ocorria de errado na campanha? Não falou na época porque esperava ganhar um cascalho? Achava que tinha chance de ganhar a eleição? O ministro é vítima de oportunismo e vingança política. Demissão só com batom na cueca. Tem que ter prova”, diz um parlamentar mineiro, pedindo anonimato

Ah se fosse com o PT…..