Flavio Dino bate duro em Bolsonaro: “Temos um insano no comando do País”, define a Bernardo Mello Franco

BR: Apontado pelo presidente Jair Bolsonaro como o governador com o qual o governo federal “não tem de ter nada com esse cara”, como foi dito em áudio vazado de conversa com o ministro Onyx Lorenzoni, Flavio Dino, do Maranhão, rebateu em termos duros a discriminação feita pelo presidente:

“Foi a prova que tem um insano no comando do país”, afirmou o governador maranhense, eleito duas vezes em primeiro turno e filiado ao PCdoB, ao colunista Bernardo Mello Franco, do Globo.

“Há um método instalado no poder central. É um método de discriminação, de perseguição e de preconceito”, prosseguiu. “O presidente externou uma visão de preconceito, de ódio. E reiterou essa visão em outro vídeo, dizendo que todo nordestino é “pau de arara” e “cabeça chata” (em ‘live’ com o ministro Tarcísio Freitas, na quinta à noite). Isso nada mais é que a repetição de tratamentos pejorativos para menosprezar uma região que concentra um terço da população brasileira”, descreveu.

Para o governo, “essa agressividade não é da tradição brasileira. João Figueiredo, o último presidente da ditadura militar, manteve relações institucionais com governadores de oposição, como Franco Montoro (SP) e Leonel Brizola (RJ). E arrematou:

“Um traço do discurso fascista é a identificação de inimigos para justificar suas próprias carências. As pesquisas mostram que o governo não consegue cuidar do que é fundamental, como o desemprego e a recessão. Para esconder esse fato, o presidente pratica a política da agressão, da busca de inimigos. É para tentar esconder o mau governo que ele faz”, desfechou o governador.