Vélez usa narcotraficante Pablo Escobar como modelo para escola cívico-militar

BR: Colombiano de nascimento, o ministro Ricardo Vélez Rodriguez, da Educação, usou um péssimo exemplo para sustentar as vantagens do modelo de escola pública cívico-militar que ele defende para o Brasil. Ninguém menos que o narcotraficante mais famoso do mundo, Pablo Escobar (1949-1993).

Aos deputados da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Vélez disse que Escobar montou escolas na Colômbia que tinham como objetivo manter os jovens do país longe do uso da cocaína e reduzir a violência.

“Pablo Escobar tinha reservado campos de futebol para os jovens e uma pequenina biblioteca. ‘Com isso, tenho esses jovens aqui e eles não consomem cocaína porque esse produto é de exportação’. A ideia de Pablo era não consumir cocaína na Colômbia porque esse era um produto de exportação. Só com esse fato [de evitar o consumo dos jovens], a violência diminui”, disse Vélez. Talvez Vélez queira erguer no Brasil uma estátua ao narcotraficante que fez da Colômbia, em seu tempo, um dos países mais violentos do mundo, patrocinando assassinatos de autoridades judiciais e políticas, atentados contra jornais e jornalistas e mantendo a população como refém do terror de suas milícias organizadas. �ses mais viole