Ultrasecreto: número 2 do Departamento de Estado dos EUA está no Brasil para reuniões com governo Bolsonaro

A secretária-adjunta de Estado para assuntos do Hemisfério Ocidental dos Estados Unidos, Kim Breier, chegou ontem ao Brasil para uma série de reuniões com integrantes do governo brasileiro e visitas em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. A viagem ocorre junto à coordenação entre Estados Unidos, Colômbia e Brasil na operação para entrega de ajuda humanitária na Venezuela e pressão da comunidade internacional pela transição de governo no país.

O Brasil e os EUA reconhecem o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como presidente interino do país. No Twitter, Kim Breier afirmou que a Venezuela é um dos temas da visita ao Brasil e destacou a importância do apoio do governo de Jair Bolsonaro. “Vou começar minha primeira viagem ao Brasil como subsecretária, meus pensamentos estão com os heróis que arriscam suas vidas tentando obter ajuda humanitária para os necessitados em Venezuela. O apoio de Jair Bolsonaro e do Brasil tem sido crucial nesses esforços.”

Ela terá encontros com os ministros de Relações Exteriores, Ernesto Araújo e da Justiça, Sérgio Moro. Kim Breier também irá se encontrar com o secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo; com o assessor internacional da presidência, Filipe Martins, e com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A ida de Kim ao Brasil é mais um passo na aproximação dos dois países. Logo após as eleições, o assessor de segurança nacional foi ao Rio de Janeiro para se encontrar com Bolsonaro e, em janeiro, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, chefiou a delegação americana que compareceu à posse do presidente. O deputado Eduardo Bolsonaro se encontrou com Kim Breier quando esteve em Washington, no final de 2018, e o chanceler Ernesto Araújo esteve no Departamento de Estado no início de fevereiro.

A visita também ocorre menos de um mês antes da visita de Jair Bolsonaro ao presidente Donald Trump, prevista para a semana de 18 de março.

A primeira parada da secretária foi no Rio, onde esteve na Escola Superior de Guerra, do Ministério da Defesa, onde discutiu compromissos de segurança e cooperação de defesa entre os dois países.

Na zona portuária do Rio, a americana visitou Cais do Valongo, o que classificou como “uma recordação solene das milhões de vidas destruídas pela escravidão”. O antigo cais, um porto de entrada de escravos negros na América Latina, já recebeu o título de patrimônio mundial da Unesco. “Nosso apoio à conservação do cais como reconhecimento à cultura, história e contribuições dos descendentes de africanos nos nossos países e por toda a América”, escreveu Kim na sua conta no Twitter.