Tudo dominado; MRV, Tenda, Direcional e outras empreiteiras já pagam mensalidade para milícia no Rio; R$ 178 mil/mês

Uma reportagem da jornalista Adriana Cruz na Veja traz documentos que revelam pagamentos de grandes construtoras, como MRV, Tenda e Direcional para a maior milícia do país, o Bonde do Zinho, formada em grande parte por policiais e ex-policiais do Rio de Janeiro que dão as cartas espalhando o terror.

De acordo com documentos, as empresas desembolsam R$ 178.000 por mês para não serem incomodadas pelos bandidos. A revista teve acesso às informações depois que uma operação da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), rastreou material que aponta um faturamento de 30 milhões de reais mensais dos caixas de algumas das maiores empresas de construção civil do Brasil.

“Todos pagam pedágio aos bandidos para poder tocar seus negócios na área. Na batida policial, os suspeitos fugiram, mas deixaram para trás livros-caixa, dezesseis pen drives e um HD de computador nos quais se encontram claras referências a ‘entradas’ de recursos depositados por três gigantes do mercado imobiliário”, destaca a reportagem.https://7eefa2599353daa143b8ab8b720081e2.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Um engenheiro da MRV, entrevistado sob a condição de anonimato, admite: “Se não pagarmos, os bandidos implantam o horror e fica inviável tocar as obras”.

Segundo um importante representante do ramo da construção civil, a extorsão da milícia virou algo tão comum que hoje é tratada como apenas mais um item entre os custos das companhias. “As construtoras viraram reféns desse sistema”, resume.

“Entrada” de dinheiro pago por empresas (acima) e lista de fuzis: provas de poder