Toffoli vê “momento mundial de nacionalismos, preconceitos e rancores”

O presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Dias Toffoli, disse ontem que “nós vivemos um momento, o que não é uma especificidade do Brasil”. Trata-se de “um momento mundial de ataque às instituições. De tentativa de desmontar aquilo que foi criado no pós-Segunda Guerra: o valor da universalidade, o valor da pluralidade e o valor da democracia como algo que é o caminho a seguir para se fazer uma sociedade melhor. Nós estamos vivendo um momento em que os nacionalismos, os preconceitos, os rancores e o medo que leva o ao ódio passam a integrar a sociedade”, disse Toffoli, em seminário sobre direito e democracia da Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas), em Brasília.

O presidente do STF ressaltou que o Poder Judiciário não pode querer ser “maior que a sociedade” e defendeu a criação de um grupo de trabalho, no âmbito do CNJ, para discutir o uso de redes sociais, negando que a medida represente “censura” ou “mordaça”.