Sem brincar de ‘marcha soldado’ este ano; Defesa cancela desfile militar de 7 de setembro; Covid-19 falou mais alto

O ministério da Defesa editou uma portaria que recomenda aos comandantes das Forças Armadas que orientem as tropas a não participar das comemorações da Independência do Brasil em 7 de setembro, por conta da pandemia do novo coronavírus. A medida, assinada pelo ministro Fernando Azevedo, foi publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União (DOU).

Com isso, o desfile militar nas capitais do país está cancelado. A informação foi antecipada pelo colunista Lauro Jardim na terça-feira. O texto da portaria ressalta a recomendação de autoridades sanitárias pelo isolamento social para evitar os contágios. “As condições atuais indicam que tal recomendação deva ainda vigorar durante o mês de setembro, abrangendo, assim, o período de celebração do 198º Aniversário da Proclamação da Independência do Brasil”, diz o ato.

Ainda que o presidente emita declarações controversas sobre a pandemia, a parada militar não vai ocorrer. Ontem, ao se referir aos quase 100 mil mortos pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro disse que é preciso “tocar a vida”.  Nesta sexta, o foram confirmados 2.918.554 casos da infecção, e 98.650 pessoas morreram de Covid-19 desde o início da crise, segundo consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo.

No ano passado, Bolsonaro participou do desfile em Brasília ao lado da família e também do então ministro da Justiça, Sergio Moro. Na ocasião, ele quebrou o protocolo, desceu da tribuna e caminhou na Esplanada para cumprimentar o público, acompanhado por Moro. O ex-juiz deixou o governo em abril, e acusou o presidente de tentar interferir politicamente nas investigações da Polícia Federal.