Sem bons conselheiros, Bolsonaro acelera seu isolamento com tática única de radicalizar conflitos

BR: Sem sequer um bom conselheiro mais íntimo que possa lhe indicar outro caminho que o não o da radicalização sobre os conflitos, o presidente Jair Bolsonaro usou diante das manifestações estudantis que tomaram o país nesta quarta-feira 15 seu repertório de mais do mesmo. Desta feita, com requintes de grosseria.

Ao chamar os milhares de manifestantes, espalhados por mais uma centena de cidades ao longo de todo o dia, de “idiotas, imbecis e massa de manobra”, Bolsonaro mostrou que não tem a menor disposição para fazer qualquer movimento em direção ao centro mais civilizado da política. Quer ficar entrincheirado na direita política, desqualificando adversário e não ampliando seu campo de atuação.

Em 1989, o presidente Fernando Collor também reagiu às primeiras manifestações estudantis contra seu governo com ira e provocação. Deu no que deu.