Saúde insiste em compras com Precisa; preservativos femininos por R$ 15,7 milhões; acordo acertado em 2020 com empresa investigada por CPI

O Ministério da Saúde pode fechar uma compra de preservativos femininos com a Precisa Medicamentos, investigada pela CPI da Covid, pela Polícia Federal (PF), pelo Ministério Público Federal (MPF) e pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O valor do contrato que deve ser firmado com a empresa é de R$ 15,7 milhões e será a segunda etapa de um acordo feito em 2020 para a entrega de 10 milhões de preservativos no total.

Metade da compra já foi concluída, mas o acordo foi travado após a empresa virar alvo do Senado.

Leia também: Antes de negociar compra da Covaxin, empresa conseguiu aditivo em contrato de preservativos

Empresa envolvida no escândalo da Covaxin deu calote milionário no SUS durante o governo Temer

A Precisa atrasou a distribuição de todas as parcelas da primeira etapa do acordo, mas a pasta afirmou que isso não atrapalhou o abastecimento do SUS.

A cúpula da Saúde tem reavaliado o contrato por conta dos desgastes que podem causar as recentes revelações envolvendo a empresa, mas já houve um parecer favorável da área técnica.

Com informações da Folha.