Salvação pelo Mercosul que Guedes detona; Brasil vai importar energia de Argentina e Uruguai

CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico), criado pelo Ministério de Minas e Energia para buscar soluções para enfrentamento da crise hídrica, autorizou a importação de energia da Argentina e do Uruguai. A informação foi divulgada pela CNN Brasil na noite dessa 6ª feira (6.ago.2021).

Para evitar racionamento e apagões diante do baixo nível dos reservatórios brasileiros, além da importação de energia de países vizinhos, a oferta das termelétricas deve aumentar ainda mais. A decisão foi discutida em reunião do CMSE, na 4ª feira (4.ago), e confirmada pela pasta.

O grupo também sugeriu a redistribuição da energia no país. O recurso deve ser desviado de regiões que têm excedentes para outras com sobrecarga.

ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) alertou sobre o baixo nível dos reservatórios, especialmente no subsistema Sudeste/Centro-Oeste. Nessas regiões, os reservatórios  podem chegar a 21% até o final de agosto. Se essa previsão se cumprir, será o nível mais baixo da série histórica iniciada em 2000.

Mesmo com alerta da crise e aumento dos preços, o consumo de eletricidade cresceu 6,9% de janeiro a maio de 2021 em relação ao mesmo período de 2020, segundo o boletim mensal do Ministério de Minas e Energia, publicado na 2ª feira (2.ago).

CRISE HÍDRICA

Atualmente, o Brasil vive a maior crise hídrica em 91 anos. O Ministério de Minas e Energia acompanha a situação por meio de um comitê especial. O ministro Bento Albuquerque afirmou reiteradamente que o país não corre risco de ter racionamento de energia.

No dia 28 de junho, fez um pronunciamento em rede nacional para falar sobre a crise hídrica. Para evitar o colapso das hidrelétricas, o governo acionou as termelétricas a diesel, mais poluentes e com um custo maior de produção. Além disso, diminuiu a vazão de parte das hidrelétricas.

Como consequência, a Aneel manteve bandeira tarifária 2 –a mais cara do sistema de bandeiras– para o mês de agosto. Com isso, a cada 100 quilowatts-hora consumidos serão pagos R$ 9,49 extras.