Brasil, Rio de Janeiro, RJ, 18/10/2018. O presidente do Partido Social Liberal (PSL), Gustavo Bebianno, durante sessão de fotos após entrevista exclusiva cedida ao Estadão, no bairro do Jardim Botânico, zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Foto: WILTON JUNIOR / ESTADÃO CONTEÚDO. - Crédito:WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:220473

Sai, enfim, ‘fumaça negra’ do Palácio do Planalto: Bebbiano é exonerado

O porta-voz do governo de Jair Bolsonaro, Otávio Rêgo Barros, confirmou nesta segunda, 18, que o ministro Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, sairá do cargo. Ele é o protagonista da maior crise nos primeiros meses do novo governo, suspeito de irregularidades em campanhas do PSL e envolvido em rusgas com o filho do presidente, Carlos Bolsonaro.

A única benesse para Bebbiano, por enquanto, é a de ser mantido na direção do PSL.

O presidente Jair Bolsonaro já estava com o ato de demissão do ministro assinado. O próprio ministro também já havia dito que tinha recebido sinalizações de que sua dispensa sairia no Diário Oficial desta segunda, mas isso não aconteceu. Nesta segunda, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que a situação seria resolvida ainda nesta segunda. Bebianno vem sendo acusado de supostas irregularidades nas campanhas eleitorais do PSL ocorridas na época em que ele presidia o partido, que também tem o presidente Bolsonaro como filiado. A crise cresceu quando o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, chamou Bebianno de mentiroso, declaração que foi reforçada pelo próprio presidente.