Reforma Frankenstein; governo agora quer duas alíquotas para fazer unificação do PIS e Cofins; 1ª e 2ª classes

O governo pretende rever o projeto que unifica o PIS e a Cofins para vencer a resistência do setor de serviços. Em vez de criar uma alíquota única de 12%, conforme prevê o texto encaminhado ao Congresso, a ideia em estudo é criar dois percentuais. Segmentos que seriam prejudicados pela mudança passariam a pagar um percentual inferior a 12%, enquanto os beneficiados estariam sujeitos a uma cobrança maior.

A revisão do projeto faz parte da nova estratégia do Executivo de destravar a reforma tributária, que deve ser analisada de forma fatiada por meio de projetos distribuídos entre Câmara e Senado. O presidente da Câmara, Arthur Lira, espera dar andamento no plano a partir da semana que vem. Um dos novos textos, que deve ser anexado ao projeto que trata da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), propõe a redução do IR das empresas de forma gradual e, em contrapartida, taxas dividendos em 15%.