DF - PT/SEMIN¡RIO/LULA - POLÕTICA - O ex-presidente Luiz In·cio Lula da Silva participa do semin·rio "EstratÈgias para a Economia Brasileira-Desenvolvimento, soberania e inclus¿o", promovido pelas lideranÁas do PT na C¿mara e no Senado e pela FundaÁ¿o Perseu Abramo, no Centro Internacional de ConvenÁ¿es do Brasil, em BrasÌlia, nesta quarta-feira, 24. As principais lideranÁas petistas alinharam um discurso para defender a candidatura de Lula para 2018 e alegar que ele tem sido alvo de uma "estratÈgia estabelecida" para tentar retir·-lo da corrida eleitoral do ano que vem. Fora dos microfones, essa foi a tÙnica que marcou o encontro realizado hoje durante o semin·rio. 24/04/2017 - Foto: DIDA SAMPAIO/ESTAD¿O CONTE¿DO

Quem deu a ordem para a PF tentar transfigurar a entrevista exclusiva de Lula em “show de auditório”? Sergio Moro?

BR: Está no ar uma dúvida: quem, dentro ou fora da Polícia Federal, deu a ordem para que a entrevista exclusiva do ex-presidente Lula aos jornais Folha de S. Paulo e El País fosse desfigurada pela presença de outros jornalistas em uma plateia? Se fosse para dar um palpite, um bem forte seria o ministro da Justiça, Sergio Moro, ao qual a PF está sob jurisdição.

Ocorre que só na cabeça de alguém que não tem apreço pela atividade jornalística poderia surgir a ideia de transformar o esforço dos profissionais Monica Bergamo e Florestan Fernandes Junior, para terem declarações em primeira mão de Lula, num “show de auditório”, como bem definiu o ministro Ricardo Lewandowski, do STF, em que o vazamento da exclusividade seria não menos que imediato.

Graças a um despacho de Lewandosvski, feito nesta quinta-feira 25, Lula, preso na sede da Polícia Federal em Curitiba, vai poder falar somente com os que tiveram a primazia de pedir-lhe a palavra – e com eles poderá travar uma conversa com a requerida concentração. O pedido pela manutenção do caráter exclusivo da entrevista foi feita pela defesa do ex-presidente. O ministro determinou que a entrevista que será concedida nesta sexta-feira, 26, conforme decisão anterior da Corte.

Lewandowski derrubou decisão da Superintendência do Paraná da Polícia Federal, que descumpriu seu despacho anterior, incluindo outros veículos de imprensa para participar da entrevista com o ex-presidente, mesmo sem poder fazer perguntas, apenas como plateia. A autorização para entrevista foi determinada à época da eleição 2018, requerida pelos veículos El País e a Folha de S. Paulo. Porém, ficou suspensa por oito meses força de decisão liminar do ministro presidente do STF, Dias Tofolli, cassada na semana passada. ffff