Promessa vazia; Costa Rica se torna 38º país entrar para OCDE; apesar de palavra de Trump, Brasil fica na fila; Bolsonaro enrolado

A Costa Rica se tornou o 38º país a fazer parte da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), o grupo das nações mais desenvolvidas do mundo, nesta terça-feira (25).

Com a adesão formal da Costa Rica, a América Latina passa a ter quatro países na organização (México, Chile e Colômbia já fazem parte).

A entrada na organização é uma ambição do governo brasileiro desde o governo Michel Temer. O pedido foi feito formalmente em maio de 2017 e continua sendo uma meta do governo Bolsonaro.

Interesse do Brasil

Em dezembro de 2020, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o Brasil estava pronto para ingressar na OCDE. Mas o país ainda não conseguiu atender a todos os pré-requisitos necessários.

Em março deste ano, a OCDE criou um grupo para monitorar o combate à corrupção no Brasil (veja no vídeo abaixo), após uma série de alertas públicos terem sido feitos desde 2019.

A criação de um grupo pra monitorar a corrupção em um país específico é rara e só tinha acontecido duas vezes nos 60 anos da organização.

VEJA TAMBÉM:

OCDE confirmou a criação de um grupo para monitorar o combate à corrupção no Brasil
https://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.460.0_pt_br.html#goog_114771425400:00/04:54

OCDE confirmou a criação de um grupo para monitorar o combate à corrupção no Brasilhttps://8083cbc15afa53ed4f9eff69572bd7f6.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

O processo da Costa Rica

O processo de adesão da Costa Rica à OCDE começou em abril de 2015, e o país foi formalmente convidado a fazer parte da entidade em maio do ano passado.

Segundo a organização, o convite ocorreu após cinco anos de “revisões técnicas aprofundadas por 22 comitês da OCDE” e a introdução de “grandes reformas para alinhar sua legislação, políticas e práticas aos padrões da OCDE”.

Entre as mudanças estão uma reforma abrangente da política de concorrência, um redesenho do sistema nacional de estatísticas e a introdução de responsabilidade criminal de pessoas jurídicas por suborno estrangeiro.

LEIA TAMBÉM: