Primo querido de Carluxo, Léo Índio investigado pelo STF por atos antidemocráticos de 7 de setembro; pedido da PGR

Léo Índio, primo dos filhos de Jair Bolsonaro, está sendo investigado por ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal) nas manifestações do dia 7 de setembro. A informação foi divulgada pela Folha de S. Paulo.© Fornecido por IstoÉ Léo Índio arrecadou dinheiro para manifestações de 7 de setembro (Foto: Reprodução)

+ Bolsonaro vai cobrar ISS de prestadores de rastreamento de veículos

+ Operação suspeita de R$ 532 mil em conta de ex de Bolsonaro é identificada pelo Coaf

+ Fátima Bernardes compartilha vídeo de William Bonner sobre Bolsonaro

Léo Índio participou de toda organização desses atos. Por isso a subprocuradora-geral Lindôra Araújo pediu depoimento dele mesmo antes das manifestações acontecerem, em 31 de agosto.

“O quadro probatório demonstra a atuação de Marcos Gomes (Zé Trovão) e Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Leo Índio, na divulgação de mensagens, agressões e ameaças contra a democracia, o Estado de Direito e suas instituições que, na conclusão da Procuradoria-Geral da República, é mais do que suficiente para justificar as medidas cautelares”, diz o pedido da PGR.

Depois Alexandre de Moraes acatou esse pedido e ainda ordenou bloqueio de redes sociais de Léo Índio e de uma chave pix divulgada por ele para arrecadar fundos para as manifestações.