Presidente dos discursos longos e rebuscados, Temer não abre a boca, preso, na Polícia Federal; uma outra pessoa…

BR: Preso, o ex-presidente Michel Temer está outra pessoa. Em seus tempos de político, especialmente como presidente da República, ele se notabilizou por discursos longos, marcados por um gestual exagerado. Seus braços iam e voltavam, para cima, para baixo, para os lados, para frente, enfim, em todas as direções. Parecia um ator shaeksperiano, que usa os membros superiores para dar ênfase aos versos do Bardo.

Entretanto, nesta sexta-feira 22, na sede da Polícia Federal, no Rio de Janeiro, Temer não cometeu um gesto, não disse uma palavra sequer. Silente, entrou mudo e saiu calado na sala em que foi perguntado sobre o que tinha a dizer a respeito das acusação de chefe que quadrilha (organização criminosa) que desviou R$ 1,8 bilhão dos cofres públicos em 40 anos de exercício na política. As pessoas, como se vê, mudam. Na próxima quarta-feira, a Justiça vai julgar o pedido de liberdade para Temer, formulado por seus advogados. Até lá, as chances de ele mudar de novo para o velho estilo são muito baixas. Deixar sua mansão no bairro Alto de Pinheiros, em São Paulo, pelo sala de 20 metros quadrados na qual ele está alojado já fazem do ex-presidente falastrão e dramático uma outra pessoa.