PoderData: com Bolsonaro jogando contra a vacina, rejeição a imunizante sobe de 19% para 28% no País

Pesquisa PoderData realizada de 20 a 23 de dezembro mostra que a rejeição a uma vacina contra a covid-19 cresceu 9 pontos percentuais em cerca de um mês, indo de 19% para 28%. É esse o percentual que diz que “com certeza” não irá tomar um imunizante contra a doença.

© Unsplash Frascos ilustrativos de vacina contra a covid-19. Quase 3 em 10 brasileiros dizem não querer imunizante

Outros 60% tomariam a fórmula, ante 67% no estudo realizado um mês antesEm julho, essa taxa era de 85%.© Fornecido por Poder360

A pesquisa foi realizada pelo PoderDatadivisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 21 a 23 de dezembro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 470 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

HIGHLIGHTS DEMOGRÁFICOS

O estudo destacou, também, os recortes para as respostas à pergunta sobre a percepção dos brasileiros em relação à vacina.

A faixa etária de 25 a 44 anos é a que mais rejeita um imunizante, sendo 34% desse grupo contra. Já entre os mais velhos, com 60 anos ou mais, que pertencem ao grupo de maior risco da doença, essa taxa cai para 19%.

Os mais instruídos, que cursaram até o ensino superior, tem uma visão mais positiva da vacina. No grupo, 78% “com certeza” tomariam a fórmula. Essa proporção cai para 59% e 52% entre os que estudaram somente até os ensinos fundamental e médio, respectivamente.