Petrobras não dá folga; mercado prevê aumento de importação de combustíveis e novo aumento nos próximos dias

A Petrobras avalia aumentar o volume de importação de combustíveis para evitar um possível desabastecimento. De acordo com fontes do setor, as equipes da estatal avaliam as previsões de consumo, os preços a serem praticados, o nível de estoque de importadores e distribuidores. Faz parte desse planejamento a capacidade de seu parque de refino, que está em 85%, de acordo com relatório distribuído ontem pela empresa.

Com a capacidade de refino praticamente no limite, a Petrobras já elevou a importação de derivados em 116,1% no terceiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Nos nove primeiros meses do ano, o avanço chegou a 86,3%. Nos últimos dias, a associação que reúne as distribuidoras afirmou que a Petrobras não iria conseguir entregar todos os pedidos para novembro, gerando rumores de que poderia ocorrer um desabastecimento. O impasse acontece com uma forte alta nas vendas de combustíveis. No caso do diesel, no terceiro trimestre, elas foram as maiores desde 2015. Houve alta de 15,8% em relação ao mesmo período de 2020, e de 21,2% nos nove meses deste ano. As vendas de gasolina subiram 17,9% no terceiro trimestre. No acumulado do ano, a alta ficou em 18,5%, maior patamar desde 2017, de acordo o relatório de produção da empresa. Uma fonte do setor diz que a estatal deve reajustar em breve os preços porque o dólar e o petróleo subiram muito desde os últimos reajustes.