Pelo WhatsApp, Bolsonaro chama população para “contragolpe” em 7 de setembro; plano de grandes manifestações; “Quem quer tomar o poder é a esquerda”

Em mensagem encaminhada no Whatsapp, o presidente Jair Bolsonaro fala sobre a necessidade de um “contragolpe”.

Ele também convoca apoiadores para se manifestarem no dia 7 de setembro.

O objetivo é demonstrar que ele e as Forças Armadas têm apoio para uma ruptura institucional, informa o colunista Guilherme Amado, do site Metrópoles.

Bolsonaro fala em ‘contragolpe’

O texto foi enviado pelo número pessoal do presidente para integrantes do governo e amigos.

Como não há o selo de “Encaminhada” com que o WhatsApp marca as mensagens, não é possível saber se o próprio presidente as escreveu ou se copiou de alguma fonte e colou na lista de transmissão antes de enviá-las — o que tira o selo de identificação de encaminha.

É provável que seja uma mensagem encaminhada porque fala de Bolsonaro em terceira pessoa. Na lista de transmissão estão ministros de Estado, apoiadores e amigos de Bolsonaro.

“Atenção direitista sem noção, você mesmo que está falando merdas (sic) como ‘Vamos tomar o poder já que ninguém faz nada’, ‘Bolsonaro tá muito devagar’ ou ‘FFAA não fazem nada’. Faça o favor de ler com atenção o abaixo escrito, compreender as coisas como são e assim passar a nos ajudar e não atrapalhar”, começa o texto.

No trecho mais forte da mensagem, defende-se que o “contingente” da manifestação em 7 de setembro deve ser “absurdamente gigante” para “comprovar e apoiar inclusive intencionalmente” que o presidente e as Forças Armadas têm o apoio necessário para dar um “bastante provável e necessário contragolpe”.PUBLICIDADE

Em outro trecho, lê-se que a manifestação do 7 de setembro, autorizaria o “nosso presidente Jair Bolsonaro juntamente com as nossas honrosas FFAA” a tomarem “as decisões cabíveis para que o Estado democrático de direito seja reestabelecido e o resgate do STF hoje sequestrado por apátridas ocorra”.

Confira a íntegra da mensagem: