Pazuello leniente; ministro recusou doação de 20 mil testes PCR para detectar Covid-19; mensagem “urgentíssima” ignorada

Ministério da Saúde rejeitou, em agosto de 2020, a doação de 20.000 kits de testes RT-PCR para detectar a covid-19.

A proposta foi apresentada ao governo federal pelo embaixador Rua Carlos Pereira, diretor da Agência Brasileira de Cooperação, órgão ligado ao Itamaraty.

Em junho, o diplomata enviou telegrama “urgentíssimo” ao Ministério da Saúde para apresentar a possibilidade de doação.

Na mensagem, Pereira afirmou que a LG ofereceu, de forma gratuita, 20.000 kits de testes produzidos pela empresa farmacêutica sul-coreana BioSewoon.

Segundo ele, a empresa colocou duas condições para a doação. A 1ª era apoio no “desembaraço aduaneiro” no envio das mercadorias. A 2ª era a agilidade da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na aprovação dos kits.

O telegrama só teve resposta mais de 2 meses depois, em 25 de agosto. A doação foi declinada pelo Ministério da Saúde.

O secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Arnaldo Correia de Medeiros, disse que a recusa da doação foi motivada pela impossibilidade de alterar os trâmites legais para importação do material.

“Não se pode condicionar a doação a um possível registro na Anvisa e que a empresa deve seguir os trâmites legais e normativos para o registro de produtos de saúde para comercialização no país”, afirmou Medeiros, à revista Época.

Mesmo com a previsão legal de acionar a Anvisa para requisitar o aval aos exames, os documentos apontam que o Ministério não entrou em contato com a agência.

No intervalo entre a oferta da LG e a resposta do Ministério da Saúde, as mortes pela doença no Brasil foram de 45.000 para 116.000. Atualmente, já são mais de 200.000 mortos.