Pastor que ‘batizou’ Bolsonaro só sai da cadeia sob fiança de R$ 1 milhão; ‘pastor’ Everaldo terá de usar tornozeleira eletrônica; suspeito de corrupção com ex-governador Witzel

Juíza Caroline Figueiredo, substituta da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, aceitou na quinta (1) a um pedido da defesa do Pastor Everaldo para revogar a prisão preventiva dele, decretada em setembro pelo STJ.

LEIA – PGR denuncia Witzel, pastor Everaldo e mais 11 por atos de corrupção e cobra R$ 106 milhões

Essa magistrada determinou, no entanto, que o chefe do PSC só seja liberado após o pagamento de fiança no valor de R$ 1 milhão e o cumprimento de medidas cautelares, incluindo o uso de tornozeleira. Everaldo foi preso sob a suspeita de ser um dos líderes de esquemas de corrupção identificados pelo MPF durante o governo de Wilson Witzel no Rio. O caso dele chegou à primeira instância recentemente e teve denúncia aceita em meados de junho. Agora, o líder religioso tem autorização para ser solto por excesso de prazo no tempo de detenção.

LEIA MAIS – Igreja onde Witzel se batizou é a Vida Nova, sem relação com a Assembleia de Deus de Everaldo e Cunha

Além de pagar fiança milionária e usar tornozeleira, Everaldo está proibido de manter contato com outros investigados, de se ausentar do Rio e acessar repartições públicas. Também precisará cumprir recolhimento noturno e de atuar junto às empresas investigadas no caso, incluindo a Cedae.

Com informações de Lauro Jardim no Globo.