Oposição boicota reunião de amanhã com Bolsonaro; aliados darão sustentação à Previdência, mas a que preço?

BR: A reforma da Previdência terá um primeiro ‘dia D’ amanhã, quando o presidente Jair Bolsonaro se reunirá com líderes partidários para jogar seu prestígio pessoal a favor da aprovação do projeto enviado à Câmara. A oposição já anuncia boicote ao encontro, com um total de sete partidos, incluindo PT, PCdoB, PSB e PDT, adiantando ainda nesta segunda-feira 25 que não participarão do encontro. Essas legendas somam 134 deputados.

O boicote já era uma carta prevista neste jogo. O que vai  valer, amanhã, serão as presenças, para que se avalie o tamanho da base governista. Mesmo se o quórum for positivo, ainda será preciso observar a qualidade do diálogo entre os a princípio favoráveis à reforma e o chefe do governo.

Os pedidos por cargos na máquina federal e verbas na forma de emendas orçamentárias já se acumulam, sem que tenha havido um sinal claro de atendimento, pelo Palácio do Planalto, aos parlamentares. O governo já admite, nos bastidores de Brasília, que errou ao privilegiar as chamadas bancadas temáticas na formação do primeiro escalão da gestão, em lugar de prestigiar, com ministérios, as indicações de legendas dispostas a votar a favor da reforma.
Bolsonaro, amanhã, diante dos líderes que comparecerem, poderá ceder ou insistir numa postura que muitos consideram ‘purista’ e improdutivo.

A bola vai estar no pé do presidente. A ver o que ele fará com ela.