ONU: Incentivo de Bolsonaro a garimpo em terras indígenas “explica” tomada de reserva Waiãpi por garimpeiros, diz relatora

BR: Com dimensão internacional crescente, a invasão por um grupo de garimpeiros da reserva indígena Waiãpi, no Amapá, com a morte do cacique Emyra Waiãpi a facadas, virou-se contra o presidente Jair Bolsonaro.

“Um dos elementos é o fato de que o presidente tem feito anúncios de que terras indígenas podem ser usadas para atividades produtivas. Essa é uma das razões que explica a situação, além dos interesses econômicos sobre essas terras”, disse Vitoria Tauli-Corpuz, relatoria da ONU para os povos indígenas, ao correspondente do UOL Jamil Chade.

“A proteção da Amazônia não é apenas um assunto do Brasil. Mas para todo o mundo. A comunidade internacional tem um papel a desempenhar nisso”, insistiu a relatora. Há duas semanas, em conversa com jornalistas estrangeiros, o presidente se irritou diante de uma pergunta sobre a proteção da floresta e retrucou: “A Amazônia é nossa, não de vocês”.

A ver, agora, qual será a reação de Bolsonaro à afirmação da relatora da ONU.