Nove dias depois de ataques de Bolsonaro, Lira abre a boca: “Confio no sistema eleitoral”; “Câmara fala quando é necessário falar, não quando é obrigada”, desvia chefe bolsonarista do Poder Legislativo

Após silêncio de 9 dias após ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), afirmou confiar nas urnas eletrônicas e que a Casa “fala quando é necessário falar“.

“A Câmara dos Deputados fala quando é necessário falar, não quando querem obrigá-la a falar. Eu dei mais de 20 mensagens mundo afora e interna no Brasil de que sempre fui a favor da democracia e eleições transparentes, e que confio no sistema eleitoral“, afirmou durante a convenção nacional do PP, na última quarta-feira (27) na Câmara dos Deputados.

“Não precisa qualquer movimento público ou político fazer com que isso se apresente sempre de maneira necessária. As instituições no Brasil são fortes, são perenes e não são e nunca serão redes sociais. Não podemos banalizar as palavras das autoridades no Brasil. Não farão isso com a Câmara dos Deputados enquanto eu for presidente”.https://10ede6f46b7b751c50ee4edd1be0a72b.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

No dia 18 desse mês, em reunião com embaixadores, o presidente novamente deslegitimou as urnas eletrônicas e apontou fraude em eleições passadas, além de ter criticado o Tribunal Superior Eleitoral.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), criticou o discurso de Bolsonaro e disse que “a segurança das urnas eletrônicas e a lisura do processo eleitoral não podem mais ser colocadas em dúvida”. Já deputados da oposição acusaram o mandatário de cometer crime contra o Estado Democrático de Direito.

Já o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Edson Fachin, deu 5 dias para Bolsonaro se manifestar em ações de partidos na Corte. No entanto, nesse período, Lira não fez nenhuma declaração.