No Senado, Guedes ameaça sair se Previdência for boicotada: “Se ninguém quiser meus serviços, eu saio. Não vou brigar para ficar aqui”

BR: “Se ninguém quiser meus serviços, eu saio”. afirmou o ministro Paulo Guedes, da Economia, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, nesta quarta-feira 27. “Eu não vou brigar par ficar aqui”. Em seguida, ressalvou: “Tenho a responsabilidade de não sair na primeira derrota. Mas se os Poderes aprovarem que a União deve R$ 800 bilhões (aos estados) e a reforma da Previdência não for aprovada eu vou ficar aqui para que? Para apagar incêndio? Vou entrar para o Corpo de Bombeiros de Brasília. Não tenho apego a cargo”.

Abaixo, notícia anterior sobre a participação de Paulo Guedes na CAE do Senado:

BR: Demonstrando segurança, o ministro da Economia, Paulo Guedes, está neste momento na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado defendendo a importância da aprovação pelo Congresso da PEC da Previdência. Guedes disse que este seria o primeiro passo para uma profunda mudança no pacto federativo brasileiro, com o fortalecimento financeiro dos estados.

“Sem o voto de vocês, isso aqui é só conversa”, disse o ministro, elogiando a postura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a favor da reforma. “Ele tem sido extraordinariamente construtivo”.

O ministro admitiu que “tem havido uma falha dramática da nossa parte”, referindo-se à articulação política do governo. “Esse é um governo que já demonstrou que está trabalhando, tanto que em menos de três meses apresentou os projetos da Previdência e o anticrime”, afirmou, para completar: “Mas quando parte para as ações no Congresso, o maior opositor é ele mesmo (o governo). Nós temos de mobilizar a nossa base”.

Um exemplo da desmobilização da base governista Guedes viu diante de si, no senador Major Olímpio (PSL-SP). Ao se dirigir a Guedes, o senador admitiu que não sabia como se posicionar a respeito da PEC aprovada ontem na Câmara dos Deputados, estabelecendo o Orçamento impositivo que limita as ações administrativas do governo federal. “O senhor me ensinou”, disse Olímpio, lamentando que a bancada do PSL tenha votado a favor da PEC.

Guedes também criticou a desarticulação. “Por mim, eu achava que o PSL tinha de fechar questão a favor da reforma e nos garantir 55 votos”, contabilizou o ministro. “O DEM, que tem três ministérios, deveria fazer a mesma coisa, porque a reforma é do interesse deles também”, prosseguiu. “O Congresso pode mexer na