Neymar desembarca na Granja Comary, em Teresópolis, RJ 02/06/2019 Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Neymar acusado de corrupção e fraude; pedido de 2 de prisão na Espanha; no Brasil, jogador ganha habeas corpus que barra processo ou prisão por sonegação fiscal

O Ministério Público da Espanha pediu dois anos de prisão para o jogador brasileiro Neymar Jr. Ele é acusado por supostas irregularidades em sua transferência do Santos para o Barcelona em 2013. As informações foram divulgadas na última quarta-feira (28) pela Justiça do país.

Com isso, o jogador será julgado no Tribunal Provincial de Barcelona em outubro deste ano, juntamente com os ex-presidentes do Barcelona Sandro Rosell e Josep Maria Bartomeu, por crime de corrupção, fraude e irregularidades na contratação. O julgamento deve acontecer entre 17 e 31 de outubro.PUBLICIDADE

Neymar ganhou liminar para não ser processado ou preso por sonegação no Brasil

Em outro envolvimento com a Justiça, o atleta teve habeas corpus concedido pelo Tribunal Federal Regional da 3ª Região (TRT-3). Com isso, o jogador não poderá ser processado ou preso por sonegação no Brasil. O processo não tem relação com o julgamento que acontece às vésperas da Copa do Mundo do Catar.

No entanto, a liminar não colocou um ponto final no processo, que corre desde 2014, referente à multa aplicada pela Receita Federal no valor de R$ 188 milhões por sonegação fiscal. Ainda em 2015, o jogador chegou a ter bens bloqueados pela Justiça após solicitação da Procuradoria da Fazenda Nacional.

Isso porque o atacante do PSG é acusado de sonegar impostos durante os anos de 2011 e 2013, segundo a Receita Federal, principalmente em pagamentos feitos pelo Barcelona relacionados à sua transferência do Santos.

Em 2015, a Receita afirmou que houve sonegação de R$ 63,6 milhões por parte do jogador. Foi apontado também a omissão de rendimentos de fontes do exterior com publicidade e “omissão de rendimentos oriundos de vínculo empregatício pagos pelo Barcelona”.

O dinheiro foi recebido pelas empresas N&N Consultoria Esportiva e Empresarial e Neymar Sports. Porém, a Fazenda Nacional afirmou que foi tributado de forma indevida, já que o rendimento é dele como pessoa física.

Já em maio de 2020, Neymar conseguiu anular a cobrança na Justiça. O jogador entrou com uma ação para cancelar o débito e conseguiu suspendê-lo até que este processo fosse julgado – a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional havia recorrido da decisão para voltar a exigir o valor. As partes não responderam sobre o atual status da ação.