“Não sei se vou aguentar isso aqui quatro anos”

BR: Novo produto de informação e análise política na praça, o Tag Report, das jornalistas Helena Chagas e Lydia Medeiros, circula nesta segunda-feira 8 com um bastidor bastante emblemático do dia a dia do presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Ao receber na semana passada um amigo militar em seu gabinete, durante contados quarenta minutos, o presidente não foi interrompido nenhuma vez por suas secretárias ou ajudantes de ordens, o que não é comum na função. Quem já se reuniu com um titular da Presidência sabe que, mesmo nos encontros curtos, bilhetinhos costumam chegar ao presidente com o aviso de algum telefonema importante, a chegada do próximo convidado ou um assunto de maior urgência.

Com Bolsonaro a vida na Presidência, ao que foi visto pelo amigo militar, está bem mais calma, mas nem por isso o líder se mostra satisfeito:

“Não sei se aguento isso aqui mais quatro anos não”, comentou o presidente com seu interlocutor, enquanto disparava mais um de seus tuítes.

Tédio do poder?

Segundo o Tag Report, não há motivos para levar a sério as, digamos, ameaças de Bolsonaro em deixar o cargo antes da hora. Na sexta-feira, em café-da-manhã com jornalistas, ele já apontara para a mesma direção, ao dizer que não nasceu para ser presidente, mas sim para ser militar. Quanto a Presidência, definiu-a como um ‘abacaxi’.

Até aqui, todos consideram que estas manifestação não passam de brincadeiras no melhor estilo rude de ser do presidente.

Já diante da perda de pontos nas pesquisas de opinião e das dificuldades de relacionamento com o Congresso, aí sim Bolsonaro poderá ter motivos concretos para se aborrecer. Como sempre no caso dele, as reações são imprevisíveis.