Não é ‘fake news’: Toffoli perseguido por vaias em SP; ‘STF, vergonha nacional’

BR: O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, fez palestra ontem na Congregação Israelita Paulista (CIP), em São Paulo, sob gritos de “Fora, Toffoli” e “STF, vergonha nacional”. Um grupo de manifestantes do lado de fora gritavam palavras de ordem.

Em seu discurso, o presidente da Corte disse que a liberdade de expressão “não deve servir à alimentação do ódio, da intolerância, da desinformação”. “Essas situações representam a utilização abusiva desse direito”.

Toffoli disse ainda que a liberdade de expressão é um dos grandes legados da Constituição de 1988, que “rompeu definitivamente com um capítulo triste de nossa história em que essa liberdade, dentre tantos outros direitos, foi sonegada ao cidadão”.

“Se é certo que a liberdade de expressão encerra vasta proteção constitucional, não menos certo é que ela deve ser exercida em harmonia com os demais direitos e valores constitucionais”, acrescentou ele.

O conteúdo das declarações, no entanto, parece não ter norteado as decisões do ministro Alexandre de Moraes, também do STF, quando mandou tirar do ar a reportagem “O amigo do amigo do meu pai” do site O Antagonista e da revista Crusoé, que citava o presidente da Corte. O “amigo do amigo do meu pai” seria Toffoli, no relato feito pelo empresário Marcelo Odebrecht à Lava Jato.