Mourão, que defendeu punição a Pazuello, agora fica calado por “questão de disciplina intelectual”; anarquia toma conta do Exército; tradição reforçada

O vice-presidente general Hamilton Mourão optou pelo silêncio em relação à decisão do Exército em não punir o general Eduardo Pazuello.

“Não irei comentar por uma questão de disciplina intelectual, pois, como general da reserva, também sou subordinado ao comandante do Exército brasileiro”, disse Mourão.

No último dia 27, o vice-presidente havia sinalizado que seria favorável a uma punição a Pazuello :“A regra tem que ser aplicada para evitar que a anarquia se instaure dentro das Forças, porque, assim como tem gente que é simpática ao governo, tem gente que não é”