Mourão esvazia Araújo, recebe embaixadores e pilota política externa

O vice-presidente Hamilton Mourão está interferindo nas funções do ministro Ernesto Araújo, das Relações Exteriores. Enquanto o chanceler adula aos Estados Unidos, o general, intocável, despacha, um a um, com embaixadores da China, Rússia, Argentina, Ucrânia, Holanda, França e outros. Com o chinês Li Jinzhang, a reunião ocorreu no chamado ‘bunker’ vice-presidencial, anexo à direita do Palácio do Planalto, enquanto Araújo discursava em sua posse no Itamaraty. “Está faltando prudência. Não podemos falar qualquer coisa e depois desfalar”, afirmou Mourão sobre Araújo à revista Época. Fonte de jornalistas e interlocutor de generais, Mourão cutucou o guru que emplacou dois ministros e faz a cabeça dos filhos do presidente. “Olavo (de Carvalho) ocupou um espaço no imaginário do país num momento em que não havia ideias novas, não é nada mais do que isso”, definiu. Já Araújo foi tratado quase como criança, a começar pela chamada de capa, para a revista, que o ‘redator’ Mourão ditou. “Acho que uma boa seria: ‘Terá Ernesto condições de tocar e dizer o que é uma política externa do Brasil?’ ”. “Vai todo mundo virar israelense desde criancinha? Vai todo mundo virar fã dos americanos de qualquer jeito?”, emendou o vice, em tom de troça. Em seguida, a sério, professou: “A diplomacia são métodos e objetivos, não um fim. É preciso inserir conceitos claros, não interferir em assuntos de outros países. E ainda não está claro”, cravou. Luta interna rasgada. fffffffffffff