Ministro da Justiça Sérgio Moro entrega a proposta do pacote anti-crime, com os ministros Onyx Lorenzoni, Paulo Guedes. Damares. BsB, 19,02-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Moro sofre humilhação de Maia por seu projeto anticrime: “É um copia e cola”; ex-intocável leva segunda bordoada em 3 meses de governo

BR: O ministro Sergio Moro, da Justiça, deve estar com saudades do tempo em que era o juiz mais poderoso do Brasil. Dentro do governo, ele acaba de levar, em apenas três meses, uma segunda bordoada verbal capaz de deixar qualquer um zonzo. Ontem, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, classificou como um “copia e cola” o projeto anticrime apresentado por Moro ao Congresso. O original seria o pacote de segurança pública produzido pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF.  

“Moro está desrespeitando um acordo meu com o governo. Nosso acordo é priorizar a Previdência. Espero que ele entenda que ele é ministro de Estado. Ele está abaixo do presidente. Eu já disse a ele que esse projeto será posterior à Previdência, só isso”, apontou Maia, descontente com as articulações de Moro para fazer andar seu projeto na Câmara. “Ele (Moro) tá copiando o projeto do ministro Alexandre de Moraes. Copia e cola. Então, não tem nenhuma novidade. Poucas novidades no projeto dele. Nós vamos apensar um ao outro. O projeto prioritário é o do ministro Alexandre de Moraes”, definiu o presidente da Casa.

Em resposta, Moro afirmou que sua única expectativa é a de que seu projeto “tramite regularmente e seja debatido e aprimorado pelo Congresso Nacional coma urgência que ocaso requer. Talvez alguns entendam que o combate ao crime pode ser adiado indefinidamente, mas o povo brasileiro não aguenta mais”.

Mais cedo, Moro pediu aos parlamentares para que se dedicassem ao pacote anticrime e anticorrupção e disse que não via problema de que essa tramitação atrasasse a apreciação da reforma da Previdência.Maia, então, soltou mais uma:

“Ele (Moro) não é deputado!”

No mês passado, Moro teve de voltar atrás em sua decisão de nomear a socióloga Ilano Szabó para o cargo de suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária por ordem do presidente Jair Bolsonaro.