Moro colocou pé fora do governo, mas recuou; falta de opção calou mais que iminente perda do Coaf e ‘chapéu’ no decreto das armas

BR: Agastado pela iminente perda do Coaf para o Ministério da Economia, já aprovada na comissão da reforma administrativa do Congresso, e esvaziado ao não ter sido consultado pelo o presidente Jair Bolsonaro sobre o decreto das armas, do qual discorda, o ministro Sergio Moro pensou seriamente em pedir demissão da pasta da Justiça.

Mas recuou.

Segundo a coluna Radar, da revista Veja, pesou na volta atrás de Moro o fato de, no momento, ele não ter opções profissionais.

De juiz todo-poderoso, neste momento seu papel é obedecer ao presidente.