Moradores de São Gonçalo denunciam que chacina teve tortura e mortes com crueldade; “Todos estão sem parte genital, foram quem está sem olho e sem perna”, contam; “Foram mortos a facadas”; suspeita recai sobre a PM

Moradores do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, disseram que os policiais utilizaram práticas de tortura contra os suspeitos capturados no local, durante uma operação na comunidade nesta segunda-feira (22).

Mais cedo, moradores retiraram oito corpos de um manguezal no bairro das Palmeiras, no interior da comunidade. Ao longo da manhã, os corpos foram colocados em um terreno baldio próximo ao local. Segundo os moradores, outros corpos permanecem na área de mangue.

“Eu não entendo porque essa crueldade. Pegaram eles vivos, mataram na facada. Todos estão sem a parte genital, fora quem tá sem olho, sem perna, sem braço”, disse a esposa de Jhonathan klando Pacheco, possivelmente um dos mortos na operação da PM.

Milena Menezes, irmã de Rafael Menezes Alves, 28 anos, um dos mortos durante a ação dos policiais no Salgueiro, contou que ele tinha sinais de um tiro no tórax, uma facada no glúteo e um tiro na perna.

“Já sabiam que iam matar, então porque fazer isso? Por que torturar? Parece que estão matando bicho, matando rato. Meu irmão não fazia mal para ninguém. Fizeram muita maldade com ele. Tem adolescente ai no meio que arrancaram os dedos. Pra que fazer isso?”, disse Milena.

“A gente ta entrando numa guerra que não é nossa. Favelado é gente. A gente mora na favela não é porque gosta não. A gente mora porque tem necessidade. Mas favelado é digno. Favelado é gente”, completou.

A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) está investigando as mortes no Complexo do Salgueiro e já realizou o trabalho de perícia no local do confronto. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) da região.

Sete dos oito mortos na comunidade de São Gonçalo, foram identificados. Destes, cinco possuem antecedentes ou anotações criminais. Um dos mortos que não possui antecedentes também estava com roupa camuflada semelhante a do restante do grupo.

Familiar questiona troca de tiros e diz: ‘Cenário de terror’

O familiar de um dos mortos na operação do Complexo do Salgueiro questionou a afirmação de que os corpos seriam de envolvidos em uma troca de tiros com a polícia.

“A situação lá era de cenário de terror. Tem gente que não tem como reconhecer porque está com o rosto todo desfigurado por faca. Como alguém pode dizer que essa pessoa foi morta em trocando tiro, se está com o rosto todo desfigurado?”, questionou.

Ele também contou que, ao identificar o familiar, recebeu orientação no IML de fazê-lo do tórax para baixo devido às mãs condições do rosto.

“Quando fui identificar meu conhecido, fui orientado a não olhar o rosto porque estava irreconhecível. Fiz a identificação do tórax para baixo, pelas tatuagens”, disse.

Ele também acredita que o local de mata ainda tenha mais corpos que ainda não foram resgatados.

“Tem bandido, sim, entre os mortos, mas também têm pessoas inocentes, que foram arrastadas e levadas para o mato. Temos certeza que tem mais corpos no mata porque a área é de difícil acesso”, disse.

PM morto no sábado

O fim de semana no Complexo do Salgueiro foi de tiroteios entre a Polícia Militar e traficantes. Os incidentes começaram na madrugada de sábado (20), quando o sargento Leandro Rumbelsperger da Silva, de 38 anos, do 7º BPM (São Gonçalo) foi atacado a tiros por criminosos durante um patrulhamento em Itaúna, bairro vizinho às Palmeiras e também parte do Complexo do Salgueiro. Leandro morreu no hospital.

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi mobilizado, e os embates se acirraram. Na manhã de domingo (21), uma idosa foi atingida no braço por uma bala perdida.

Ainda de acordo com moradores, os policiais não queriam prender nenhum suspeito de tráfico no Salgueiro. Alguns apontam que a operação do Bope foi com o objetivo de vingar a morte do sargento Leandro.

“Eles levaram todos que eles viram, se eles acharam que tinha cara de bandido, eles pegavam e levavam. Eles só entram pra fazer isso, se não tem o que eles querem, que é o dinheiro, eles matam”

A Defensoria Pública do RJ afirmou, em nota, ter recebido “relatos sobre a violenta operação no Complexo do Salgueiro” e comunicou o fato ao Ministério Público, “para a adoção de medidas cabíveis a fim de interromper as violações”