Miranda aponta operação de compra de testes do Covid pela Saúde como “100% fraudulenta”; nova denúncia deve ser apurada por CPI

Em entrevista ping-pong à Folha, o deputado Luis Miranda afirmou que o esquema de corrupção do Ministério da Saúde pode ser “muito maior” do que o caso da vacina Covaxin, investigado pela CPI da Covid. Miranda disse que seu irmão, Luis Ricardo Miranda, chefe do departamento de importação do ministério, vê indícios de operação “100% fraudulenta” para a compra de testes de Covid. “Se existir algo realmente ilegal, não é só nessa vacina, é na pasta toda. O presidente Bolsonaro demonstra claramente que não tem controle sobre essa pasta”, disse o deputado.

“Parece que a partir de segunda-feira a PF vai estar dentro do ministério, a coisa vai mudar um pouco”, afirmou Miranda.

Meu irmão falou que realmente os militares tinham uma presença meio não republicana. Ele disse que tem uma operação grande rodando no Ministério da Saúde, de milhões agora. Envolve uma operação que na opinião dele é 100% fraudulenta. Sobre testes.”

“Pelo que vejo aqui, é procedimento totalmente usando a Opas para fazer a jogada, com dinheiro do Banco Mundial. Querem fazer uma compra gigantesca, altamente desnecessária.”Ele (Bolsonaro) não sabia nem do caso (da suspeita de superfaturamento na compra da vacina Covaxin). É como se a pasta tivesse um dono, e não o presidente da República. É como se aquele ambiente ali não pertencesse a ele. Ele não conhecia o caso.”