Ministro da Educação diz que internet para escolas e estudantes não é prioridade; Milton Ribeiro defende que governo não gaste com conexão à rede

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que o MEC nunca foi contra a conexão nas escolas, mas, segundo ele, a lei que busca ampliar o acesso à internet de estudantes e professores da rede pública de ensino vai contra a Emenda do Teto de Gastos. Ribeiro falou em audiência pública na comissão de Educação da Câmara dos Deputados nesta 4ª feira (7.jul.2021).

No nosso entendimento, a questão da conexão é importantíssima. Só que na minha visão como gestor e ministro, eu acredito que existem outras prioridades“, disse o ministro. “Eu não me conformo em termos quase 5.000 escolas sem esgoto, sem água, sem rede elétrica.

Ribeiro disse ainda que sabe que uma coisa não exclui a outra, mas, para ele, a atenção tem que estar voltada para as escolas rurais que ainda têm problemas estruturais.

Receba a newsletter do Poder360todos os dias no seu e-mail

Na 2ª feira (5.jul), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) questionou no STF (Supremo Tribunal Federal) a lei, que prevê o repasse de R$ 3,5 bilhões pela União aos Estados e ao Distrito Federal até sábado (10.jul). O projeto de lei chegou a ser vetado pelo presidente -Ribeiro afirmou que recomendou o veto. O Congresso, no entanto, derrubou a decisão.

O objetivo da norma é garantir que estudantes e professores tenham acesso à internet durante a pandemia, considerando que as aulas se tornaram remotas.

Os deputados afirmaram que o projeto de lei nasceu com base em dados da educação e sobre como a falta de acesso à internet afeta de forma negativa a educação de estudantes brasileiros. Além disso, os congressistas afirmaram que o tema se tornou ainda mais importante por causa dos efeitos da pandemia na educação.