Mesmo após ‘conversinha com Torres’, Moraes pode adotar medidas contra Bolsonaro em três inquéritos

Relator de seis investigações no STF e duas no TSE contra bolsonaristas, o ministro Alexandre de Moraes pode determinar medidas contra Jair Bolsonaro em três inquéritos. Sendo eles, o inquérito das fake news, o da interferência no comando da Polícia Federal e o que trata sobre suposta invasão hacker a sistemas eletrônicos da Justiça Eleitoral em 2018.

Apesar da nota de recuo de Bolsonaro, o ministro não indicou que pretende puxar o freio de mão de nenhuma das investigações que miram o presidente ou aliados. A tendência é que o inimigo número 1 do bolsonarismo mantenha o ritmo das apurações. Com informações da Folha.

Leia também

1; Barroso aponta “lições” dos atentados de 11 de setembro: “triste momento da história recente”

2; Após recuo de Bolsonaro, Mendonça pressiona por vaga no STF com apoio de evangélicos e de Sarney

3; Governo Bolsonaro descumpre promessa de apresentar projeto de lei para regulamentar lobby

De canalha a jurista

Em dois dias, Bolsonaro mudou o tom contra ministros do STF, em especial Moraes. O presidente chamou o magistrado de “canalha” e disse que descumpriria suas decisões.

No entanto, o mandatário divulgou um pedido de desculpas em “Declaração à Nação”, e passou a chamar Moraes de “jurista e professor” – com direito a menção sobre suas “qualidades”.

“Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do ministro”, afirma Bolsonaro no texto.

Em tom bem mais ameno, Bolsonaro afirma que “nunca teve nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes”.

“A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção devem respeitar”, enfatizou Bolsonaro.