Mesma farinha; Bolsonaro diz a senadores que apoiará candidato de Alcolumbre no Senado; Rodrigo Pacheco cresce e aparece

O presidente Jair Bolsonaro confirmou em reunião realizada nessa 6ª feira (8.jan.2021) o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), que apoiará Rodrigo Pacheco (DEM-MG) à presidência do Senado. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Pacheco é o candidato do atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Desde que teve sua candidatura à reeleição barrada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), Alcolumbre tem conversado com senadores individualmente para angariar votos para seu candidato.

O encontro de 6ª (8.jan), segundo o jornal, foi um pedido de Bezerra, para que ele pudesse transmitir ao presidente a insatisfação da bancada do MDB com Bolsonaro no processo. O chefe do Executivo havia dito que se manteria neutro, mas estaria sendo leniente com Alcolumbre e Pacheco.

O MDB no Senado anunciou que terá candidato único para a presidência da Casa, mas ainda não confirmou o nome. Os postulantes são Bezerra; o líder da bancada no Senado; o líder do governo no Congresso, Eduardo Braga (AM), Eduardo Gomes (TO); e a presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Simone Tebet (MS).

Também de acordo com o jornal, Bezerra tentou argumentar com Bolsonaro. O senador defendeu a regra da proporcionalidade, que dita que a maior bancada teria direito à presidência da Casa. O presidente teria respondido que não mudará de posição.

Pacheco fechou nesta semana o apoio de 3 bancadas. PSD, Republicanos, partido de Flávio Bolsonaro, e Pros se colocaram ao lado de Pacheco nesta semana. Com o DEM, os votos do senador podem chegar a 22: PSD (11), DEM (5), Pros (3) e Republicanos (3). São necessários ao menos 41 para vencer a disputa.

A presidência da Casa anunciou na 6ª feira (8.jan), por meio de nota (330 KB), que a eleição será como sempre foi: com voto secreto em cédulas de papel recolhidas em um envelope.

Isso significa que, se o senador não quiser divulgar em quem votou, não será possível comprovar. Isso contribui para que haja “traições” em blocos e partidos fechados com um ou outro candidato.

A possibilidade de votação remota foi noticiada como solução para uma eleição segura em meio ao número crescentes de casos de covid-19 no Brasil. A eleição será em 1º de fevereiro.