DF - CNI/ENCONTRO NACIONAL/BRASÕLIA - POLÕTICA - Jair Bolsonaro, prÈ-candidato do PSL ¿ PresidÍncia, participa do evento "Di·logo da Ind¿stria com os candidatos ¿ PresidÍncia da Rep¿blica", promovido pela ConfederaÁ¿o Nacional da Ind¿stria (CNI), nesta quarta- feira, 04, em BrasÌlia. Durante o encontro, a entidade apresentar· aos presidenci·veis propostas do setor para as eleiÁ¿es deste ano e os candidatos ter¿o a oportunidade de debater as sugest¿es e falar de medidas que adotariam em seus governos para aumentar a produtividade das empresas e estimular o crescimento da economia. 04/07/2018 - Foto: DIDA SAMPAIO/ESTAD¿O CONTE¿DO

Mercado vê Bolsonaro com jogo duplo na Previdência: finge querer a reforma, mas é contra sua própria PEC; Bolsa cai 2,47% e dólar sobe 2%; Guedes é fio de esperança; vídeo

BR: O presidente Jair Bolsonaro é contra a proposta de reforma da Previdência que o seu próprio governo formulou. Esta é a conclusão a que chegam cada vez mais formadores de opinião diante da negativa de Bolsonaro de promover uma articulação política eficiente e realizar uma negociação séria com os parlamentares encarregados de analisar a Proposta de Emenda Constitucional.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, é reconhecido dentro desse quadro como o único fio de esperança capaz de provocar uma reviravolta e salvar a reforma. O ministro nunca manifestou dúvidas sobre a importância da reforma para o saneamento das contas públicas, levou sua equipe a fazer um projeto abrangente e bem aceito e segue empenhado pessoalmente em sua aprovação. O contrário do que acontece com Bolsonaro, que critica a própria PEC que ele deixou nas mãos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, condena as negociações políticas e não patrocina campanhas de esclarecimento que poderiam tornar a opinião pública mais favorável ao projeto.

O vídeo abaixo tem circulando com intensidade nas redes sociais, bolsonaristas e adversárias, como forma de mostrar que a verdadeira posição do presidente é contrária à reforma, ainda que, no filme, ele tenha falado na condição de deputado federal e pré-candidato à Presidência.

Assista:

Esse entendimento acaba de chegar com força ao mercado financeiro, que nesta quarta-feira 27 vai castigando com força o posicionamento de Bolsonaro. Antes das 14 horas, a Bolsa de Valores de São Paulo caia 2,47%, enquanto o dólar disparava 2 por cento, chegando a R$ 3,95.

Em Brasília, comentaristas bem informados dão conta de que Bolsonaro tem se pautado por mensagens e comentários que lotam as redes sociais formadas por seus eleitores e seguidores. A grande maioria é contrária aos termos da reforma e, ao mesmo tempo, aponta no presidente o líder que irá conseguir barrar a perda de benefícios e o aumento do tempo de trabalho para se chegar à aposentadoria.

Baseado no que dizem suas redes, Bolsonaro vai seguindo um modelo de populismo eletrônico que deu certo na campanha eleitoral, mas que aponta para um desastre econômico de grandes proporções ainda este ano. Afinal, todas as expectativas positivas do mercado giram em torno da aprovação da reforma, mas o endurecimento de Bolsonaro em relação às negociações políticas para se atingir o objetivo despertou desconfiança e desânimo. A informação que vai pautando os investidores agora é a de que o presidente é contra a reforma porque só dessa forma ele conseguiria manter a imagem de coerente e imune ao sistema político corrupto que existe no País.

O presidente nitidamente faz um jogo duplo, criticando a reforma, mas pedindo, ainda que sem empenho, sua aprovação. O mercado, entretanto, trabalha com a perspectiva de que, goste Bolsonaro ou não, só a reforma da Previdência pode salvar o País de uma quebra sem precedentes, no estilo da que ocorreu na Grécia três anos atrás.