Mercado esnoba briga política e Bovespa empina 2,3% após ‘martelo batido’ por Bolsonaro na Previdência

Br2Pontos _ Todas as farpas trocadas ao longo do dia no caso da possível exoneração do secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebbiano, foram esquecidas pelo mercado financeiro quando, pouco depois das quatro horas da tarde, o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, deu o sinal de fumaça de branca: o presidente Jair Bolsonaro havia ‘batido o martelo’ sobre o projeto de reforma da Previdência. Imediatamente após Marinho afirmar que, num dos pontos cruciais da proposta, a idade mínima para homens se aposentarem será de 65 anos e de 62 anos para mulheres, com um período de 12 anos de transição, os indicadores mudaram de sinal. O Ibovespa, que oscilou ao longo dia, empinou para o alto, disparando rapidamente 2,3%, chegando aos 98.015 pontos – um recorde! A cotação do dólar frente ao real, em contrapartida, teve queda de quase 1% (0,94%), descendo a R$ 3,723. Ainda no Ibovespa, o índice futuro, que mede o provável humor do mercado, também arrancou em 2,16%, aos 99.000 pontos.

As boas notícias para os investidores não foram apenas estas. No mercado de juros, os contratos futuros com vencimento em 2021 caíram 7 pontos-base, para 6,97%. Mais ainda, os contratos para janeiro de 2023 recuaram 12 pontos-base, a 8,06%.

Marinho explicou que os 65 anos para homens e 62 anos para mulheres se aposentarem serão estabelecidos após um período de 12 anos de transição, de acordo com a proposta fechada em reunião de Bolsonaro com a equipe econômica, no Palácio da Alvorada. O ministro Paulo Guedes, da Economia, foi vencido em sua intenção de estabelecer a mesma idade, de 65 anos, para homens e mulheres. O que pareceu, assim, uma derrota de Guedes na mesa palaciana, transformou-se em vitória no mercado financeiro nacional. O texto final ficou sendo um meio termo entre a vontade de Guedes e a de Bolsonaro, que sustentou 60 anos para mulheres.

No fim, salvaram-se todos e, para a esta sexta-feira 15, o que se espera é não menos que nova onda de euforia no mercado financeiro.