Medo de filho perder emprego no BB faz Mourão recuar de possível renúncia à vice: “Vou contigo até o final”, apazigou ele a Bolsonaro

BR: O clã Bolsonaro venceu – e o vice-presidente Hamilton Mourão confessou a um amigo, de acordo com a bem informada coluna Lauro Jardim, do Globo, que ficará bem atento, a partir de agora, a sua própria atuação, no sentido de não desagradar ao presidente Jair Bolsonaro ou a seus filhos:

“Meu limite é a minha família”, disse Mourão a esse interlocutor, referindo-se ao caso da interferência de Bolsonaro no veto ao filme publicitário do Banco do Brasil sobre diversidade. Ele lembrou que seu filho, Antonio Hamilton Rossell Mourão, é assessor do presidente do banco, Rubem Novaes, e que passou a temer por um gesto do presidente que prejudique o emprego do rapaz.

Como se sabe, Antonio Hamilton foi promovido à assessor da presidência do Banco do Brasil logo na primeira semana do governo Bolsonaro, com salário triplicado em relação ao anterior.

Em uma segunda nota, o colunista do Globo revela que Mourão já disse a Bolsonaro ter desistido de levar adianta o desabafo reproduzido pela revista Veja, segundo o qual ele renunciaria ao cargo de vice-presidente, agastado pelos ataques que vêm sofrendo dos filhos de Bolsonaro, Carlos e Eduardo, se o presidente quiser. “Pego as minhas coisas e vou embora”, disse Mourão em família.

Agora, tudo mudou.

Acompanhe as notas de Lauro Jardim:

Até onde vai Mourão

A confusão criada por Jair Bolsonaro no Banco do Brasil, ao vetar uma mera peça publicitária, arregalou os olhos de Hamilton Mourão. Seu filho é assessor direto do presidente do BB, Rubem Novaes. Mourão não acredita que a interferência do chefe no banco seja para atingi-lo, mas disse a um interlocutor que o episódio o deixará mais atento a partir de agora: “Meu limite é a minha família”.

Conversa de cavalheiros

Bolsonaro e Mourão tiveram um curto e objetivo diálogo na semana passada sobre a complicada relação dos dois. O capitão abriu a guarda: “Você não vai me abandonar, né, cara?”.

Mourão, claro, recorreu à única resposta possível: “Que isso, rapaz? Vou contigo até o final”. E se abraçaram.