Mais perto da guerra: Bolsonaro fala em “capacidade bélica” dos EUA e que povo da Venezuela “tem que ser libertado”

BR: Após o encontro com o presidente Donald Trump, dos EUA, hoje, o presidente Jair Bolsonaro deverá acentuar ainda mais suas intenções, reveladas até aqui apenas nos bastidores do poder, de levar o Brasil a participar, de alguma forma, de um processo de intervenção militar contra a Venezuela. É o que o próprio Bolsonaro deixou claro ontem, em Washington, durante evento na Câmara de Comércio Brasil-EUA.

“Temos alguns assuntos que estamos trabalhando em conjunto, reconhecendo a capacidade econômica, bélica, entre outras, dos Estados Unidos. Temos que resolver a questão da nossa Venezuela”, declarou o presidente. “A Venezuela não pode continuar da maneira como se encontra. Aquele povo tem que ser libertado e contamos com o apoio dos EUA para que esse objetivo seja alcançado.”  Bolsonaro aproveitou para deixar claro seu perfil ideológico aos potenciais investidores. “Alavancaremos não só nossa economia, bem como os valores que, ao longo dos últimos anos, foram deixados para trás. Acreditamos em Deus, somos contra o politicamente correto, não queremos a ideologia de gênero. Queremos um mundo de paz e liberdade. Precisamos trabalhar duro para que seja alcançado”, completou.