Maia recusa convite de Onyx para almoçar; ou Bolsonaro reata relação ou Previdência perde seu verdadeiro capitão

BR: O presidente Jair Bolsonaro vai ter de mostrar, enfim, que sabe construir uma relação com alguém que não pensa exatamente como ele, em lugar de praticar o que ele próprio disse, nos Estados Unidos, ser a sua missão, desconstruir.

Ocorre que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, estava mesmo falando sério quando disse ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que, a partir de agora, a responsabilidade de aprovar a reforma da Previdência é do Bolsonaro – e não mais dele, Maia, que cansou de ser destratada pelo governo e pelos filhos do presidente.

Um convite feito a Maia pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, foi devidamente recusado nesta sexta-feira 22. Isso quer dizer que com o, em tese, número dois do Palácio do Planalto, Maia não quer nem dividir um vinho bom, quanto mais conversar de coisa séria até a sobremesa.

Se o presidente Jair Bolsonaro, em pessoa, não entrar em campo para trazer Maia de volta, ninguém mais conseguirá. Depois, é claro, o presidente terá de segurar seus cachorros, para que cessem seus latidos contra o presidente da Câmara. Pode ser a parte mais difícil.