Lula defende autodeterminação dos povos e compara Brasil e Venezuela: “Bolsonaro é pior do que o Maduro”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Siva (PT) disse nesta 5° feira (26.ago.2021), em entrevista à rádio Metrópole de Salvador, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é “pior” do que Nicolás Maduro, presidente da Venezuela. Segundo o petista, a autodeterminação dos povos deve ser respeitada, sem a interferência de outros países.

© Sérgio Lima/Poder360 Lula diz que Bolsonaro é pior que Nicolás Maduro

“Autodeterminação dos povos é uma coisa que não se mexe. Cada país toma conta do seu país. O Maduro seja o que ele quiser ser, mas quem tem que pôr ou tirar ele é o povo da Venezuela. Não o Bolsonaro, que é pior do que o Maduro”, afirmou o petista, que evitou elogiar o outrora aliado na América Latina.

Apesar de se dizer contra a interferência dos Estados Unidos na Venezuela, Lula disse que não é a favor do regime de Nicolás Maduro. Afirmou que nunca apoiou a ideia de partido único, nem quando era presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista.

“Eu não defendo o regime da Venezuela. Eu não defendo o que o Maduro faz ou deixa de fazer. O que eu acho é que o problema da Venezuela é um problema dos venezuelanos, não é um problema dos americanos”, pontuou.

O petista falou ainda sobre o embargo econômico imposto pelos EUA a Cuba. Em julho, o Governo Joe Biden impôs novas sanções ao país latino em resposta à repressão cubana aos manifestantes de oposição. O embargo existe de modo quase ininterrupto desde 1962.

“Eu sou contra o bloqueio porque é a arma mais perversa. Ele não mata soldado, não mata general, ele não pune tenente, não pune coronel e muito menos capitão. Sabe quem é punido com o bloqueio? O povo”, reiterou.

Brasil

Ainda na entrevista, Lula comentou sobre a relação do presidente Jair Bolsonaro com o Centrão. Segundo o petista, o bloco político “é um fundo de investimento no fracasso do Bolsonaro”. O ex-presidente afirmou também que “deputado gosta de presidente fraco”.

“Bolsonaro nunca acreditou que pudesse chegar a presidência porque a vida política dele era muito frágil. Não tinha história, não tinha biografia. Ele era um deputado do baixo clero. Ele era considerado a ralé da ralé dentro do Congresso Nacional”, disse.