O ministro da Economia Paulo Guedes, assina termo de posse do presidente do BNDES, Joaquim Levy, durante cerimônia de posse aos presidentes dos bancos públicos.

Levy condiciona R$ 126 bi do BNDES à União ao fim do calote de Banco do Brasil, Caixa e estados

A devolução dos recursos do BNDES à União deve estar atrelada ao pagamento dos financiamentos concedidos pela instituição com aportes do Tesouro. “Tem dinheiro que está emprestado à Caixa, ao Banco do Brasil, e a algumas agências de fomento, além de Estados e municípios. Aí depende de esses devedores poderem devolver, por conta do programa a que estão associados”, diz o presidente do Banco, Joaquim Levy. Para ele, o banco vai antecipar o pagamento dos recursos à União desde que essa devolução não coloque em risco a saúde financeira da instituição.

O secretário da Fazenda, Waldery Rodrigues Júnior,  enviou ofício ao banco pedindo a devolução de R$ 126 bilhões, que segundo ele, o BNDES tem condições de devolver sem descumprir nenhuma regra de solvência.