Kalil elogia, diz que não deu ‘bolo’ e pede a Lula “aliança formal” em Minas; chance do ex-presidente se fortalecer no 2º maior colégio eleitoral do País

O ex-prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato ao governo de Minas, Alexandre Kalil (PSD), disse nesta quarta-feira (11) que espera ter “uma aliança formal” com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a quem declarou voto, mesmo após ter negado encontros com o petista nesta semana.

Durante entrevista realizada pela Folha de S. Paulo e pelo UOL, Kalil afirmou que foi convidado para se reunir com Lula durante a passagem por Minas, mas negou ter dado um “bolo” no ex-presidente.

“Pelo tamanho do presidente Lula, ninguém dá bolo nele. Quem dá bolo é malcriado, não cumpre o dever e não vai ao encontro que marcou. Como não houve nada marcado, então não houve bolo. O que o candidato Alexandre Kalil quer é uma aliança formal com o presidente Lula”, disse.

“O que não quero é ir sem mão dada, sem aliança [com o Lula], porque isso tecnicamente prejudica uma campanha. Há um esforço muito grande da oposição de tentar minar essa aliança”, acrescentou. Segundo Kalil, os presidentes do PSD e PT, Gilberto Kassab e Gleisi Hoffmann, têm conversado sobre a aliança.

O ex-prefeito da capital mineira foi convidado para um almoço, para o ato em que Lula encontrou a militância petista em Belo Horizonte, e também para um jantar, na segunda-feira. Ele alegou que só encontraria o ex-presidente caso uma solução fosse oferecida para o impasse que envolve a vaga para o Senado em uma possível aliança entre os partidos.