Corrupção privada e estelionato: Justiça da Espanha nega recurso e avança em suspeitas sobre Neymar

Craque, baladeiro e estrela das redes sociais, o jogador Neymar acaba de sofrer uma dura derrota nos campos da Justiça da Espanha. Em 1º de fevereiro, sem que a mídia brasileira desse grande divulgação, a Quarta Seção da Audiência Nacional da Espanha negou por unanimidade a iniciativa dos advogados do craque, que queriam impedir que ele fosse julgado no país por supostos crimes de corrupção privada e estelionato. Agora, as portas estão abertas para o processo se transformar em julgamento. “As penas pedidas são de prisão, multa e inabilitação profissional”, afirma o advogado Paulo Magalhães Nasser, que representa a empresa DIS.

A DIS se julga passada para trás por Neymar Jr. e seu pai na transação que resultou na venda do jogador do Santos para o Barcelona, em 2013. Naquele momento, o valor do negócio foi divulgado como sendo de 17 milhões de euros, mas há documentos que apontam para uma movimentação de dinheiro muito maior: 90 milhões de euros, o equivalente a R$ 385 milhões. A DIS cobra cerca de R$ 30 milhões como indenização sobre o negócio.

Pode não dar em nada. Julgamentos na Espanha sobre futebolistas suspeitos de crimes fiscais costumam terminar em multas ou penas leves, mas a dor de cabeça é grande. No Brasil, enquanto isso, a Receita Federal cobra de Neymar nada menos que R$ 69 milhões em impostos e multas pela mesma transação de venda de seu passe do Santos para o Barcelona. ffff