IstoÉ: Bolsonaro orquestra militares para dar golpe nas eleições; adesões crescem

Bolsonaro tenta capturar o Exército para suas ações golpistas desde o início, mas até hoje as Forças Armadas tinham mantido uma distância protocolar de suas tentativas de subverter a ordem constitucional. Isso pode estar mudando. Ele tem avançado decisivamente para colocar a cúpula das Forças Armadas a serviço de seu projeto de perpetuação no poder, reunindo no seu entorno um número crescente de oficiais prontos a segui-lo. A tática é questionar o pleito de outubro. Ele já tinha em seu time Walter Braga Netto, Augusto Heleno, Luiz Eduardo Ramos e Hamilton Mourão, todos com quatro estrelas e egressos do Alto Comando.

Agora, o novo ministro da Defesa também resolveu mudar as prioridades da pasta. Bastou um mês à frente do cargo para Paulo Sérgio Nogueira abandonar o perfil estritamente técnico que lhe era característico para se alinhar por completo ao bolsonarismo. No final da tarde do dia 3, após chegar de terno e gravata ao Supremo Tribunal Federal para uma reunião privada pedida na véspera por ele próprio, o general abandonou sua atitude conciliatória ao pressionar a Corte para que as demandas do Exército sobre o processo eleitoral sejam ouvidas.© Eraldo PeresUNIDOS Generais Augusto Heleno (GSI) e Braga Netto, provável vice

Marcada dias após a condenação do bolsonarista Daniel Silveira, a reunião entre Paulo Sérgio e Luiz Fux foi a primeira do general desde a posse como ministro. Aconteceu horas depois de Bolsonaro participar de outro encontro, devidamente registrado nas redes sociais, com o titular da Defesa e os comandantes da Aeronáutica, do Exército e da Marinha. O tema tratado pelo presidente e os fardados não foi divulgado — o ministério limitou-se a informar que houve uma discussão sobre “assuntos de interesse da Defesa nacional”. Foi um jogo de cena para colocar pressão sobre o tête-à-tête que ocorreria, na sequência, entre Paulo Sérgio e o presidente do STF. A ação de Paulo Sérgio foi orquestrada por Bolsonaro, que usa os militares para intimidar o Judiciário. Não foi um movimento isolado. Em 28 de abril, ele pediu em carta a Edson Fachin, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, a retirada da Comissão de Transparência das Eleições de Heber Portella, general de Divisão indicado ao posto pela Defesa à época da gestão Braga Netto. Na Corte, avalia-se que Portella havia recebido de Braga Netto a missão de instilar dúvidas para justificar o caos eleitoral. No ofício, o titular da Defesa explicou que centralizaria em si a interlocução com o colegiado. O movimento causou estranheza, sobretudo porque os integrantes da comissão foram elencados em uma portaria. Paulo Sérgio, portanto, não poderia se autonomear.

REAÇÃO Ministros Luiz Fux e Celso Fachin: o STF e TSE endurecem em defesa da democracia
Saiba como os generais estão sendo orquestrados por Bolsonaro para dar um golpe contra as eleições

ALERTA Ciro Gomes: ameaças chegam a um “ponto de não retorno”
Saiba como os generais estão sendo orquestrados por Bolsonaro para dar um golpe contra as eleições