Ipsos/Fórum Econômico Mundial; China, com 80%, Brasil (78%) e Reino Unido (77%) são os países com populações mais dispostas a se vacinarem; levantamento on-line global

A China está no topo dos países onde é mais provável que as pessoas se vacinem contra a Covid-19, com 80%, à frente do Brasil, com 78%, e do Reino Unido, com 77%, aponta uma pesquisa da plataforma online Ipsos Global Advisor em parceria com o Fórum Econômico Mundial.

++ Vírus causador da Covid-19 deve se tornar endêmico, diz OMS

A pesquisa foi publicada na última terça-feira (29) e apresenta resultados interessantes sobre o interesse da população com a vacinação. Os Estados Unidos é um dos países onde as intenções de vacinação estão aumentando.

Elas eram de 64% em outubro e, hoje em dia, são de 69%.Mas a situação não é tão positiva em outros países. Na França, por exemplo, apenas 4 entre 10 franceses demonstram o interesse em se vacinar contra o Coronavírus.

O país é um dos que já iniciaram a campanha de vacinação, mas apenas 40% das pessoas entrevistadas no estudo demonstraram o interesse em se vacinar.Países como França, Rússia e África do Sul surpreendem por demonstrar um baixo interesse da população com a vacinação. (Foto: Unsplash)© Jetss Países como França, Rússia e África do Sul surpreendem por demonstrar um baixo interesse da população com a vacinação. (Foto: Unsplash)

Um interesse que diminuiu com o tempo, pois em pesquisa realizada em outubro, 54% dos franceses demonstraram interesse em se vacinar. Além da França, o estudo da plataforma aponta que apenas 43% dos russos apoiam a vacinação, e 53% dos sul-africanos. Em seguida, o Japão surge com 60%, Itália e Espanha com 62% e Alemanha com 65%. 

Entre os motivos para a baixa adesão foram apontados medo dos efeitos colaterais da vacina e dúvida sobre a eficácia. Outro ponto que levanta um alerta é a oposição geral às vacinas, como na França, onde 14% dos entrevistados admitiram ser contra vacinas de forma geral.  

O estudo da plataforma Ipsos Global Advisor foi realizado em 15 países com 13.542 adultos (incluindo cerca de mil franceses de 18 a 74 anos), entre 17 e 20 de dezembro.