Índios acampam na Esplanada dos Ministérios para pedir demarcação de terras; povos abandonados por Bolsonaro

Indígenas de várias regiões do país protestam na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, nesta terça-feira (24), contra medidas que dificultam a demarcação de terras e incentivam atividades de garimpo. Os manifestantes fazem parte do acampamento “Luta pela Vida”, montado desde domingo (22), a cerca de dois quilômetros do Congresso Nacional (saiba mais abaixo).

Pouco depois das 16h30, todas as pistas da Esplanada, em direção à Praça dos Três Poderes – destino final da manifestação – foram interditadas. Elas ficaram fechadas para o tráfego por cerca de uma hora.

A Polícia Militar do DF acompanha o ato, sem registro de ocorrências até a publicação desta reportagem.

Indígenas carregam faixas durante protesto, em Brasília — Foto: Carolina Cruz/ G1

Indígenas carregam faixas durante protesto, em Brasília — Foto: Carolina Cruz/ G1https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Segundo os organizadores, o movimento conta com representantes de 170 povos indígenas. A mobilização ocorre na semana em que o Supremo Tribunal Federal (STF) prevê na pauta o julgamento de um recurso que pode instituir o chamado “marco temporal” para demarcações, defendido por ruralistas (entenda abaixo).

Os manifestantes dançam e cantam músicas indígenas, além de levar faixas e cartazes com frases como “Fora Bolsonaro”, “Terras Protegidas” e “Respeito à Educação”, com pedido de investimentos em escolas indígenas.

Em frente ao Congresso Nacional, um grupo estendeu uma faixa pedindo o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De um carro de som, representantes das comunidades fazem discursos contra a gestão ambiental do governo federal.