Ideia de passaporte de vacina é rechaçada por bares e restaurantes de SP; ideia do prefeito Ricardo Nunes

Não foi bem recebida pelo setor de bares e restaurantes a exigência do comprovante de vacina para entrar em ambientes fechados da capital paulista a partir do próximo dia 30, anunciada pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB) nesta segunda (23). A notícia é de Joana Cunha, da Folha.

Para o presidente da Abrasel (associação de bares e restaurantes), Paulo Solmucci, não há condições de operacionalizar a regra. Ele diz que a entidade está aguardando a prefeitura anunciar os detalhes concretos da medida para reagir e pedir uma revisão da decisão.

Ele também questiona a eficácia do aplicativo que deve ser criado para o cliente comprovar a vacinação na porta dos estabelecimentos. Segundo a prefeitura, a plataforma será lançada até sexta (27).

Solmucci afirma que a medida pode acabar limitando o acesso de visitantes de outros estados que estão atrasados na imunização, além das pessoas que não podem se vacinar por recomendação médica ou não têm smartphones ou internet.

Segundo ele, a exigência também pode aumentar filas e aglomerações.

“É um conjunto de insensatez que, ao nosso ver, só tumultua o ambiente. Teria que haver mais diálogo, preparação e avaliação da viabilidade”, diz Solmucci.

Sylvio Lazzarini, dono dos restaurantes Varanda Grill, diz ser a favor da obrigatoriedade da vacina para funcionários dos estabelecimentos e afirma que não critica a medida do prefeito, mas que é preciso priorizar as ações para acabar com a pandemia.

“Qual é a prioridade absoluta? Toda a população vacinada, protocolos de segurança, máscara, álcool em gel, não servir em pé e evitar aglomerações até que se tenha imunidade total”, afirma Lazzarini. Ele também questiona como o passaporte da vacina seria fiscalizado.

Cristiano Melles, presidente da ANR (outra associação do setor, que reúne nomes como Burger King, Cantaloup, Capim Santo e China in Box), disse que ficou sabendo da medida pelo noticiário e pede mais diálogo. ​

“Eu acho complicado tudo o que não é combinado e conversado com o setor antes. Nós não fomos convocados para nenhuma reunião para discutir. Todo mundo está em prol da vacinação, todo mundo quer que essa pandemia acabe, ainda mais em um setor tão prejudicado como o nosso. Precisa ter diálogo”, afirma Melles.

Bares e restaurantes registraram casos de aglomeração e pessoas sem máscara no sábado (21) e no domingo (22), primeiro fim de semana sem restrições de horário e lotação no estado de São Paulo.